Sobre

Em um mundo cada vez mais conectado e dependente da tecnologia, é fundamental que a diversidade, a inclusão e a equidade estejam no cerne de práticas de tecnologia e política.

Escândalos recentes de Big Tech como Cambridge Analytica, Facebook Papers e Uber Leaks e o retorno de governos autoritários, conservadores, de extrema-direita, em todo o mundo, mostram como a convergência de tecnologia, política e diversidade é mais importante do que nunca, especialmente nos setores de tecnologia, setor público e terceiro setor.

Esse cenário revela como a influência e concentração de poder em identidades normativas – brancas, masculinas, cisheterossexuais -, podem contribuir para uma cultura de privilégios e desrespeito à diversidade e à inclusão nas empresas de tecnologia, levando a ações prejudiciais e desrespeitosas contra os usuários e a sociedade como um todo. Da mesma forma, a falta de representatividade e de perspectivas LGBTQIA+ na política e no setor público pode levar a políticas e decisões que não levam em conta os direitos e as necessidades de toda a população, especialmente de comunidades minorizadas.

Quem somos

Uma rede que trabalha para que a diversidade, a inclusão e a equidade estejam no cerne das práticas de tecnologia e política, para garantir que soluções nesses setores sejam desenvolvidas e implementadas de maneira a proteger e defender os direitos e as liberdades de todes, inclusive das comunidades marginalizadas e vulneráveis, realizando a potencialidade transformadora da tecnologia e não a deixando submetida ao lucro e interesses privados de poucos.

A tecnologia e a política tem o poder de ser ferramentas de opressão ou de liberdade, e é vital que trabalhemos para garantir que sejam utilizadas para beneficiar e proteger a sociedade como um todo.

Objetivos

  • Promover direitos LGBTQIA+ e advocar políticas e tecnologias que desafiam estruturas de poder excludentes e sistemas sociais e econômicos de opressão
  • Promover tópicos como diversidade, inclusão e equidade; dimensões políticas e repercussões da tecnologia; trabalho decente; democratização do conhecimento; software livre; luta contra discriminação baseada em gênero e orientação sexual, raça, deficiência, origem social e geográfica
  • Engajar de forma ativa pessoas LGBTQIA+ na criação, produção, desenvolvimento, uso, análise e crítica da tecnologia
  • Gerar melhores condições de vida a grupos socialmente vulneráveis e historicamente excluídos, principalmente pessoas LGBTQIA+ e mulheres, por meio do acesso à educação em tecnologia e do trabalho nessa indústria
  • Fomentar empregabilidade de pessoas LGBTQIA+ em tecnologia, no setor público e terceiro setor
  • Cooperar com instituições privadas e públicas do Brasil e do exterior, e envolver lideranças, influenciadores e mídia para atingir tais objetivos sem prejudicar a independência orgânica e política do grupo
  • Criar programas de capacitação e treinamento para pessoas LGBTQIA+ para garantir que elas tenham as habilidades necessárias para trabalhar no setor de tecnologia, no setor público e terceiro setor
  • Conectar pessoas LGBTQIA+ com oportunidades de trabalho e carreira no setor de tecnologia, no setor público e terceiro setor
  • Aumentar a representação de pessoas LGBTQIA+ nos cargos de liderança e decisão no setor de tecnologia, no setor público e terceiro seto
  • Promover a inclusão de pessoas LGBTQIA+ em projetos de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias
  • Criar uma rede de apoio para pessoas LGBTQIA+ que trabalham no setor de tecnologia, no setor público e terceiro setor
  • Desenvolver e implementar políticas e práticas de diversidade, equidade e inclusão nas empresas e organizações do setor de tecnologia, e em organizações do setor público e terceiro setor
  • Fomentar a colaboração e a parceria entre organizações e empresas do setor de tecnologia, do setor público e terceiro setor, para aumentar a diversidade e a inclusão
  • Sensibilizar e educar o público sobre questões de diversidade e inclusão no setor de tecnologia
  • Fomentar a criação de tecnologias que possam ser usadas para melhorar a qualidade de vida da comunidade LGBTQIA+
  • Trabalhar com outras organizações e grupos para garantir que as necessidades da comunidade LGBTQIA+ sejam levadas em conta nas políticas públicas e decisões relacionadas à tecnologia

Membros atuais

– Vini Russo é uma pessoa não-binária especializada em Desenvolvimento de Software, Globalização e Cultura. É programadora e gestora, e trabalhou com IBM, Prefeitura de São Paulo, Banco Mundial, Bloomberg Philanthropies e Ministério da Cultura do Brasil. Já deu palestras no TEDxUFRJ, FEA-USP e MediaLab-Prado (Madri).

– Amanda Claro é uma mulher bissexual cisgênero, formada em Direito e Mestre em Negócios Internacionais e Gestão. É coautora de “Vidas LGBTQIA+: para não sermos idiotas”, livro que explica conceitos básicos sobre normatividades, identidades LGBTQIA+ e as agressões cotidianas que enfrentam. É consultora especializada em em direito, diversidade, inclusão e equidade.

– Laura Grubba é uma pessoa não-binária e queer. Se formou em Marketing e Design Gráfico, trabalha como assistente multi-projetos e web designer. Pesquisa imaginação política e subjetividade na arte contemporânea. Co-criou o Konst Studio, e trabalha de forma independente com artes visuais desde 2018.

– E nossa rede do Núcleo Digital.

Nossa origem, o Núcleo Digital

As emergências que o mundo e o Brasil enfrentaram recentemente, com as crises climáticas, sanitárias, políticas, econômicas, sociais, nos fez criar, a partir de 2022, a Código Não Binário, como um complemento ao Núcleo Digital. O Núcleo é uma rede de especialistas em design e desenvolvimento web para o setor público e terceiro setor, que desde 2008 realiza um trabalho de resistência, engajando profissionais de tecnologia em política com um ambiente inclusivo e justo. Desenvolve tecnologias socialmente transformadoras usando software livre/de código aberto para melhorar a democracia brasileira, como por exemplo plataformas de governo eletrônico, governo aberto, de participação social e de transparência. É também através dele que construímos tecnologias LGBTQIA+ hoje.